• Sintonia

Workshop do IMD discute uso de IA na Saúde, Agro e nas Ciências Humanas e Exatas | UFRN

Para debater e divulgar uma série de temas relacionados à Inteligência Artificial (IA), o Instituto Metrópole Digital (IMD), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), sediou o workshop on-line UFRN.ai: Expandindo os Horizontes da Inteligência Artificial.

Por Ascom IMD/UFRN

Fonte Portal UFRN


O evento, que aconteceu às 8h no canal do IMD no YouTube, teve como objetivo ampliar a discussão sobre a aplicabilidade e usabilidade de ferramentas de IA nos diversos campos de conhecimento e em práticas profissionais que vão além da Tecnologia da Informação (TI).

O workshop foi promovido pelo Núcleo de Inteligência Artificial e Ciência de Dados (NIACD) do IMD e foi organizado em quatro mesas, sobre os temas IA na Saúde, IA nas Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, IA nas Ciências Exatas, Tecnológicas e Agro e Avanços Científicos e Tecnológicos na IA.


Participaram do evento o reitor da UFRN, Daniel Diniz, o diretor-geral do IMD, Ivonildo Rêgo, e a pró-reitora de Pesquisa, Sibele Pergher, além de diversos docentes, pesquisadores e empreendedores.


“Trata-se de um evento muito importante para avançarmos no nosso plano de atuação frente a essa área do conhecimento, a qual é estratégica para qualquer país”, enfatiza Ivonildo Rêgo.


Mesa virtual


Sob a mediação do professor Marcelo Fernandes, do Departamento de Engenharia da Computação e Automação (DCA/UFRN), a primeira mesa virtual contou com a participação de docentes e entusiastas que estudam e desenvolvem soluções tecnológicas de IA e Ciência de Dados voltadas especificamente para o contexto da atuação médica e sanitária.


Na ocasião, foram discutidos uma série de usabilidades da IA na área da Saúde, partindo desde soluções voltadas para pacientes oftalmológicos até pesquisas de sequenciamento genético e ferramentas de gestão hospitalar.


“O impacto da IA não é mais uma possibilidade, é uma realidade. Percebemos como essa tecnologia já tem auxiliado profissionais de saúde no melhor desempenho de suas atividades. Novas soluções podem, inclusive, ampliar o acesso a determinados tratamentos por pessoas em lugares longínquos”, comenta o professor Francisco Irochima Pinheiro (MCI/UFRN).


A mesa ainda contou com debates sobre como essas tecnologias têm auxiliado no tratamento e prognóstico de doenças como o câncer, além de discussões a respeito do fato dessas práticas serem uma tendência para as Ciências da Saúde no geral, incluindo áreas como genômica e imunologia.


“É impressionante como existe esse boom de dados derivados da genômica, por exemplo. Hoje nós temos, inclusive, estudos preditivos que apontam quais vírus podem constituir ameaças futuras para a humanidade. É muito interessante como essas tecnologias podem nos ajudar nesse monitoramento de riscos de saúde”, pontuou o docente do IMD Tetsu Sakamoto.


Práticas tecnológicas


Já a segunda mesa do workshop abordou o uso da IA no contexto das Ciências Humanas e Sociais. Conduzido pelo diretor de ensino do IMD, professor Daniel Sabino, as discussões contribuíram para a apresentação de práticas tecnológicas que vêm colaborando para a otimização de áreas como Comunicação, Direito, Demografia e Educação.


Dentre essas ações, foram destacados projetos que otimizam trabalhos de órgãos públicos de atividades jurídicas, como a Advocacia Geral da União (AGU).


“Hoje a AGU é o maior escritório de advocacia do Brasil, e eles demandaram um modelo de IA que pudesse prever resultados de recursos jurídicos antes mesmo que eles fossem interpostos. O resultado foi a criação de uma solução com eficácia três vezes maior do que a de juízes federais e servidores com grande experiência na área que não usam essas tecnologias”, conta o professor Elias Jacob (Ceres/UFRN).


Outro exemplo acontece na área da Comunicação. Segundo a chefe do Departamento de Comunicação (Decom/UFRN), Lívia Cirne, já existe uma série de soluções de uso de IA e Ciência de Dados que são capazes de auxiliar o trabalho de comunicadores, sobretudo em espaços virtuais.


“Temos vários mecanismos que auxiliam bastante o trabalho desses profissionais, como as soluções de chatbots, ferramentas de checagem de notícias, novas técnicas para coleta de informações, acessórios de audiodescrição automáticos, entre outros”, apontou a chefe do Decom.


Ainda durante as exposições da mesa, a professora Luciana Lima (DDCA/UFRN) promoveu debates e reflexões sobre o novo paradigma da Demografia – área que tem se beneficiado com o uso e com o tratamento de dados levantados pela tecnologia.


Já o professor Orivaldo Santana (ECT/UFRN) aproveitou a ocasião para apresentar um protótipo de sistema capaz de otimizar atividades de ensino e aprendizado. A ferramenta, desenvolvida pelo Grupo de Ciência de Dados Educacionais, aponta uma série de informações relevantes por meio do registro e acompanhamento de dados de rendimento e demais comportamentos dos alunos.


A programação do workshop se estendeu até as 13h, com a apresentação de mais duas mesas on-line, nas quais foram discutidos os avanços científicos e tecnológicos da IA, bem como a sua utilização em projetos e ações vinculadas às áreas de Agropecuária e Ciências Exatas. Todos os vídeos podem ser acessados na íntegra no canal do IMD no YouTube.


NIACD


Criado há um ano, o NIACD é o quarto e mais novo núcleo integrador do IMD e foi pensado para fomentar a criação de um ecossistema transdisciplinar de pesquisa e inovação em IA e Ciência de Dados.


Segundo o reitor Daniel Diniz Melo, “a Inteligência Artificial é, para a UFRN, uma área estratégica, na qual é preciso investir cada vez mais, de modo que a Universidade esteja preparada para cumprir e disseminar esse saber universal”.

0 visualização0 comentário