DOE SANGUE      SALVE VIDAS      
  • Sintonia

Udesc celebra Dia Mundial da Alfabetização com projetos, pesquisas e formação docente

Em 8 de setembro é comemorado o Dia Mundial da Alfabetização, criado em 1967 pela Organização das Nações Unidas (ONU) com o objetivo de ressaltar a importância da alfabetização para o desenvolvimento social e econômico mundial.


Por Carolina Hommerding

Fonte Assessoria de Comunicação da Udesc Faed


A formação de professores/as alfabetizadores/as continua se impondo como tarefa fundamental das universidades brasileiras Foto: Arquivo prof. Lourival Martins Filho


O mais recente indicador de analfabetismo no Brasil, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontou, por meio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, que o país contava com 11 milhões de brasileiros com mais de 15 anos que não sabiam ler e nem escrever em 2019.


“Em uma das metas do Plano Nacional de Educação, o Brasil deveria ter atingido o índice de 6,5% de analfabetos entre a população a partir dos 15 anos em 2015. Este ainda é um desafio pendente em 2020”, ressalta o professor Lourival José Martins Filho, docente do Centro de Ciências Humanas e da Educação (Faed), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), e atual presidente da Associação Brasileira de Alfabetização (Abalf).


De acordo com o educador, neste cenário, a formação de professoras e professores alfabetizadores continua se impondo como tarefa fundamental das universidades brasileiras. “É imperiosa também a articulação com a Educação Básica e a implantação de políticas e programas que considerem a alfabetização como projeto de nação e não apenas de governos”, acrescenta.


A contribuição da Udesc Faed


Segundo o professor Lourival, a Udesc vem cumprindo seu papel por meio dos seus cursos de Licenciatura, departamentos, grupos de pesquisa e programas de extensão. Na Udesc Faed dois grupos de pesquisa têm em seus objetivos o compromisso com a formação de professores alfabetizadores, com o ensino da aprendizagem da leitura e da escrita como temas de pesquisa.


O grupo de pesquisa Prolinguagem tem como foco os processos envolvidos na aquisição e aprendizagem da linguagem oral e escrita, especialmente no que diz respeito às implicações desses processos sobre a alfabetização e o ensino da Língua Portuguesa. Considerando que a linguagem oral opera como base e interface para a aprendizagem da linguagem escrita, o grupo estuda os aspectos linguísticos que contribuem para essa aprendizagem.


De acordo com a professora Dalva Godoy, coordenadora do Prolinguagem, as atividades de pesquisa do grupo se desdobram em ações de ensino e extensão direcionadas à formação inicial e continuada de professores com o objetivo de subsidiar teórica e metodologicamente o ensino da Língua Portuguesa nas escolas.


O grupo de pesquisa Didática e Formação Docente (Nape) é um espaço de produção e socialização de estudos e pesquisas em Educação considerando as relações, entre docência, alfabetização e letramento, prática pedagógica e a formação docente para o trabalho educativo com crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos.


A professora Alba Battisti de Souza, coordenadora do Nape, destaca que o grupo busca contribuir na formação de professores e professoras com estudos e pesquisas na Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos considerando os processos de ensino e aprendizagem e o trabalho com as Políticas e Diretrizes da Educação Básica.


Dentre as ações vinculadas ao Nape e ao Prolinguagem está o programa de extensão “Olhares”, que desde 2004 vem contribuindo na formação de professores alfabetizadores. Já foram mais de 12.600 professores que participaram de eventos formativos no âmbito deste programa de extensão.


Em 2020, mesmo com a pandemia da Covid19, o programa continua realizando encontros de formação docente em parceria com as redes e sistemas de ensino. “É muito gratificante fazer parte de um centro de ensino e consequentemente de uma universidade que tem a formação docente e a alfabetização com uma de suas pautas de intensa produção científica”, afirma o professor Lourival.


A diretora geral da Udesc Faed, professora Julice Dias, que também atua na formação de docentes alfabetizadores, deseja que os colegas alfabetizadores e alfabetizadoras continuem aguerridos por uma educação de qualidade que lute por justiça social. 


“Sem dúvida, só alfabetiza quem tem compromisso com a dignidade humana, com a ausculta do outro, quem tem amorosidade e sensibilidade para com seus pares. Em nome de toda a Faed, agradeço e parabenizo a todos e todas que se dedicam às crianças, jovens e adultos na boniteza de ensinar as possibilidades de ler, escrever e assim, ter condições de interpretar o mundo e viver intensamente”, completa a professora Julice.