• Sintonia

Tese de doutorado explora o fluxo da água em caules | UFMT

Investigação foi defendida por aluno de apenas 25 anos


Por Michael Esquer - Estagiário, com supervisão da Gerência de Imprensa UFMT

Fonte Portal UFMT


O fluxo e o armazenamento da água nos caules de plantas foi tema de tese de doutorado defendida por aluno do Programa de Pós-Graduação em Física Ambiental (PPGFA) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). O estudo teve o objetivo de desenvolver um modelo elétrico similar à capacidade hídrica do caule do feijão.

Imagem meramente ilustrativa de um monitor de solo (Foto: divulgação)
Imagem meramente ilustrativa de um monitor de solo (Foto: divulgação)

Segundo Luis Philippe, autor do estudo, a investigação intitulada “Análogo hídrico-elétrico do caule de Phaseolus vulgaris L. com capacitância hídrica variável" teve como motivação o entendimento de como ocorre o processo de quantificação da água armazenada no caule das plantas.

“O caule, assim como a planta, de modo geral, está inserido no que chamamos de contínuo Solo-Planta-Atmosfera. Ele desempenha papel de suma importância no transporte de água dentro desse contínuo, levando água das raízes até às folhas, onde é transpirada em forma de vapor para atmosfera", explica.

 Plantação de feijão do projeto (Foto: divulgação)
Plantação de feijão do projeto (Foto: divulgação)

A metodologia da pesquisa consistiu em duas etapas, sendo a primeira a de obtenção de dados experimentais, e a segunda a de construção de um modelo através de simulador de circuitos no software QUCS, que pudesse aferir dados sobre o fluxo de armazenamento de água em plantas de feijão. O experimento foi desenvolvido em conjunto com o grupo de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Física Ambiental (PPGE) da UFMT.


Para Luis, a sua tese abre caminho para uma gama de possibilidades sobre o uso consciente dos recursos hídricos. “O estudo mostra que é possível modelar a dinâmica do fluxo e do estoque de água armazenado no caule de plantas utilizando componentes elétricos. Como no caso do estoque de água no caule, que apresenta um comportamento que não é constante durante o dia”.


Outra contribuição da investigação é para a comunidade científica que se beneficia agora de mais um material para a bibliografia da temática. “O resultado desta tese pode auxiliar nos estudos de demais pesquisadores que atuam nessa linha de pesquisa, ou até mesmo àqueles que buscam entender melhor a dinâmica de água nas plantas”.


Ainda de acordo com Philippe, a expectativa é de que a sua criação também possa servir como material educativo. “Espera-se que com a junção dos circuitos desenvolvidos neste trabalho, considerando também os circuitos de outras partes do contínuo Solo-Planta-Atmosfera desenvolvidos em trabalhos anteriores do grupo de pesquisa, haja a construção de uma planta eletrônica. Com essa planta eletrônica será possível realizar diversos tipos de simulações, além de ser um bom recurso didático nas aulas de diversas disciplinas”, acrescenta.


Nascido no dia 03 de maio de 1995 no município de Várzea Grande, Luis Philipe tornou-se um dos doutores mais jovens do Brasil, tendo defendido a sua tese no dia 11 de novembro de 2020 com apenas 25 anos de idade. “Agradeço à UFMT por me acolher e possibilitar os meus estudos durante todo esse tempo, onde pude ampliar meu horizonte de pensamentos científico e social. Ninguém faz nada sozinho. Essa é a frase que levo para a minha vida. Por isso, sou muito grato a todos que me ajudaram nessa trajetória”

2 visualizações0 comentário