• Sintonia

Livro discute necessidade do atual padrão de tomadas | UFMT

Ebook gratuito contribui para debate da permanência da padronização

Por Liz Brunetto

Fonte Portal UFMT

“ATomada de Três Pinos deve deixar de existir?”. Este é o título do livro do professor Danilo Ferreira de Souza, da Faculdade de Arquitetura, Engenharia e Tecnologia (Faet) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Lançada neste mês, a obra, disponível gratuitamente em ebook, esclarece a importância dessa padronização abordando uma perspectiva histórica das tomadas e plugues encontradas no país antes de 2011 – período em que passou a ser obrigatório o padrão – e ainda desmistifica mitos e verdades sobre o assunto.


Desde que o modelo foi implantado existe o debate, nem sempre ancorado em embasamento técnico e cercado de suposições, sobre a sua adoção. “A ideia do livro é contribuir com o debate nacional, esta tendência de se desfazer do padrão novo de tomadas, que na verdade já é meio antigo, desenvolvido desde os anos 80. O Ebook vem nessa linha, de explicar porque ele é interessante, demonstrar a importância e apresentar um contexto histórico desfazendo vários mitos que se desenvolveram ao longo dessa temática”, esclarece o docente sobre a contribuição da obra.


“O atual padrão é alimentado por dois fios de condução e um fio de proteção. O terceiro pino é o condutor de proteção que tem como função a segurança, em caso de fuga de corrente elétrica, por exemplo, há uma redução da possibilidade de morte por choque elétrico, pois a corrente circula pelo condutor de proteção. Esse equipamento é interligado ao aterramento – aplicação direcionada a segurança em instalações elétricas”, acrescenta.


Dentre os alertas feitos no livro, destaca-se os perigos do uso de adaptadores para conexão. A sobrecarga do circuito pode acarretar desligamentos indesejáveis, ou mesmo aquecimento, podendo ocasionar incêndios. A padronização das tomadas diminuiu consideravelmente a utilização desse equipamento, pois mais de 80% dos antigos aparelhos nacionais são compatíveis com o atual padrão. No Brasil o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) registrou a utilização maciça de 12 diferentes modelos antes da padronização.


A obra elenca diversos benefícios do modelo adotado, dentre eles, a praticidade e a segurança se destacam. Internamente o padrão da NBR 14136 de tomada apresenta um maior distanciamento entre a massa metálica energizada de conexão e a superfície de contato com o plugue, aumentando a segurança do usuário, em caso de faiscamentos por conexão ou desconexão de equipamentos, o usuário não é colocado em risco. Garante ainda que o pino ligado ao condutor de proteção seja o primeiro a conectar e o último a se desconectar, ampliando a segurança. Garante o melhor aproveitamento do espaço, pois por ser compacto, permite a instalação de duas ou até três pontos de tomadas na mesma caixa de passagem, entre outros aspectos apontados na obra.


Apesar das inseguranças em decorrência da obrigatoriedade em 2011, levantadas pela mídia e a situação política polarizada, a comunidade do setor elétrico é favorável à padronização. Tamanha foi a aceitação que a representação da tomada com três pinos logo virou símbolo dos mais variados eventos técnicos do setor elétrico.


O livro está disponível no site da EdUFMT.

2 visualizações0 comentário