• Sintonia

Capes aprova fusão de 20 Programas de Pós-Graduação da Unesp

Os novos programas terão nota igual à maior nota dos programas reunidos


Por Jorge Marinho, da ACI Unesp

Fotos Divulgação

Fonte Portal Unesp




Imagem: Shutterstock
Imagem: Shutterstock
26 Programas de Pós-graduação decidiram unir-se e 13 projetos de fusão consolidaram-se na Unesp, sendo 10 aprovados pelas Capes e 3 em análise

Os projetos de fusão de 20 Programas de Pós-graduação da Unesp, encaminhados à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação, pela Pró-reitoria de Pós-graduação (Propg) da Universidade, a partir da proposta formal apresentada à Propg pelas coordenações dos próprios PPGs, foram aprovados pela Diretoria de Avaliação, Coordenações de Área e Conselho Técnico-Científico da Educação Superior da Capes. De acordo com a Portaria Capes nº 256, de 23 de novembro de 2018, os 10 Programas resultantes da fusão terão nota igual à maior nota dos programas reunidos.

“A fusão é um caminho possível e sustentável para a reestruturação de PPGs, pois aumenta o número de docentes nos Programas, criando melhores condições para consolidação das linhas de pesquisa, outrora fragmentadas, em consonância com o Projeto de Internacionalização da Unesp. Além disso, a fusão associa infra estruturas físicas existentes, fortalece a atuação colaborativa e une linhas de pesquisa comuns, sem o confinamento de localizações territoriais ou departamentais em que os docentes estão inseridos”, afirma a pró-reitora de Pós-graduação da Unesp, professora Telma Berchielli.

Com uma estrutura multicâmpus, a pós‐graduação da Unesp está localizada em 18 cidades do estado de São Paulo, com 152 programas, ministrados em 32 unidades acadêmicas. Das 49 áreas de avaliação da Capes, a Universidade possui programas em 45.

Ao longo de 2019, equipe da Pró-reitoria de Pós-graduação reuniu-se com os professores dos 152 Programas de Pós-graduação existentes atualmente na Unesp. Nesses encontros foram apresentados os diagnósticos específicos de cada Programa, envolvendo a atuação de docentes em mais de um Programa, o impacto das aposentadorias dos docentes em relação à produtividade e o desempenho da pesquisa de cada um em relação aos indicadores bibliométricos, realizado por meio da ferramenta SciVal - Elsevier.


A estratégia permitiu identificar a sobreposição de pesquisa entre diferentes Programas, além de realizar simulações para o planejamento de possíveis fusões. A Pró-reitoria também apontou para a necessidade de uma mudança de paradigma em que se valorizassem e se fortalecessem os grupos de pesquisa e a solidariedade entre os Programas e não ações individualizadas.


A Capes também contribuiu para o processo porque, em 2018, passou a incentivar a fusão de programas de pós-graduação, com a publicação da Portaria 256/2018, quando definiu regras explícitas sobre fusão, migração e desmembramento de programas.

“Com a oportunidade criada pela Capes, atrelada às discussões acerca da importância das fusões, 26 programas decidiram unir-se e 13 projetos de fusão consolidaram-se na Unesp, sendo 10 aprovados até o momento e 3 em análise. Essa ação inicial de reestruturação resultará numa redução de 9,4% no número de PPGs na Universidade, considerando apenas os programas acadêmicos. As fusões são resultado do processo de amadurecimento e fortalecimento dos grupos, tornando ­‐ os mais robustos e sustentáveis”, conclui a professora Telma Berchielli.

Abaixo, os coordenadores dos PPGs integrados avaliam o significado das fusões.


CÂMPUS DE ARARAQUARA ODONTOLOGIA

“A fusão dará origem a um Programa mais robusto, com maior multidisciplinaridade e interdisciplinaridade, tanto na formação do pessoal discente quanto na produção do conhecimento, seguindo um modelo de integração de conhecimento de diferentes áreas do saber. Ao mesmo tempo, irá proporcionar a formação de pessoal capacitado para atuar em docência e pesquisa, em áreas não limitadas apenas às especialidades clínicas da Odontologia (Periodontia, Endodontia e Reabilitação Oral), mas envolvendo também aspectos da Biologia Celular e Molecular, Ciência de Materiais e Biomateriais e Ciências Forenses”, disse o professor Joni Augusto Cirelli, coordenador do novo PPG em Odontologia, da Faculdade de Odontologia, resultado fusão dos PPGs em Odontologia e em Reabilitação Oral que inicia com conceito 6.


CÂMPUS DE BOTUCATU ENGENHARIA AGRÍCOLA

“A sinergia do novo quadro docente, de suas estruturas de pesquisa, de sua inserção nacional e internacional, permitirá pesquisas mais abrangentes, com maior competitividade na captação de recursos junto aos órgãos de fomento, com projetos temáticos, por exemplo, até então não explorados. A interdisciplinaridade da pesquisa estará caracterizada na grade curricular do novo programa, mais abrangente e mais flexível, possibilitando que novos temas como Inteligência Artificial, Internet das Coisas, Sensoriamento Remoto, Sensores, Big Data, desenvolvimento de softwares específicos e de aplicativos para celulares, dentre outros, sejam oferecidos aos alunos e aplicados em todas as linhas de pesquisa. A união contará com 36 docentes credenciados, com média de publicação equivalente internacional de 3,85 (base Qualis 2016), e com 171 discentes matriculados bolsistas e não bolsistas”, destaca o professor Rodrigo Máximo Sánchez Román, coordenador do PPG em Agronomia (Irrigação e Drenagem) que se uniu ao PPG em Agronomia (Energia na Agricultura), gerando o novo PPG em Engenharia Agrícola, com conceito 5, da Faculdade de Ciências Agronômicas.


CÂMPUS DE FRANCA E DE ASSIS HISTÓRIA

“Não teremos mais mestres ou doutores em História formados em Franca ou em Assis. Agora serão formados na Unesp. Não será mais o projeto temático de um ou de outro, mas do grupo de pesquisa sediado no Programa de Pós-Graduação em História da Unesp, que ganha como instituição. A união fortalece a capacidade do grupo de apresentar uma contribuição efetiva para a área e para a reflexão mais ampla sobre o papel das ciências humanas no país. Com mais de 40 professores, já foram solicitadas mais bolsas para o Programa e teremos ainda acesso imediato aos recursos garantidos pela Unesp com o projeto Capes-Print. O fortalecimento das redes aumentará em muito a chance dos grupos de pesquisa do novo PPG conquistar novos projetos junto à Fapesp. Já os discentes terão uma formação mais completa e variada, que os preparará para um mercado de trabalho mais competitivo e, portanto, mais exigente. Nosso objetivo agora é alcançar a nota 6, porque temos lideranças consolidadas em suas áreas de pesquisa e jovens pesquisadores despontando”, afirmam os professores Ricardo Alexandre Ferreira, coordenador do PPG em História (câmpus de Franca), e Carlos Alberto Sampaio Barbosa, coordenador do PPG em História (câmpus de Assis) que serão um único Programa em História, com conceito 5.


CÂMPUS DE RIO CLARO

ECOLOGIA, EVOLUÇÃO E BIODIVERSIDADE

“A fusão aumentará a visibilidade e a competitividade na captação de recursos, permitindo a formação de mestres e doutores mais qualificados, com o fortalecimento da massa crítica dos docentes e discentes que comporão esse novo Programa. Todavia, a união também teve como razão os desafios que os 2 antigos PPGs enfrentavam em relação à capacidade de manter os níveis de excelência, nos próximos anos, por causa da diminuição do núcleo permanente de docentes, causada por aposentadorias ou mudanças de instituição. Nesse sentido, a fusão resolve esse problema no momento. Penso que os efeitos práticos da fusão são comuns aos docentes, discentes, a Unesp e estão relacionados aos benefícios que serão conseguidos com a melhoria na qualidade do programa. Benefícios que não se traduzem exclusivamente em relação aos aspectos didáticos e de pesquisa, mas também em relação a melhoria na rotina burocrática, associada ao funcionamento do programa”, informa o professor Ariovaldo Pereira da Cruz Neto, coordenador do novo PPG em Ecologia, Evolução e Biodiversidade, conceito 4, do Instituto de Biociências, resultado da fusão dos PPGs em Ecologia e Biodiversidade e em Ciências Biológicas.


CÂMPUS DE RIO CLARO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BIOLOGIA CELULAR, MOLECULAR E MICROBIOLOGIA)

“A fusão foi discutida com alunos e professores dos 2 Programas e percebemos a complementaridade dos Programas e o quanto ela fortaleceria o grupo como um todo porque conseguiremos interagir mais, trabalhar mais juntos, pensando numa pesquisa mais interdisciplinar. A ciência hoje exige que se troque muito mais experiências. Esse processo maior de interação entre os docentes refletirá diretamente nos alunos porque passarão a circular entre as disciplinas e os laboratórios do Programa como um todo. Dessa forma, estaremos formando cientistas e profissionais melhores porque saberão pensar de diferentes maneiras um mesmo problema, tanto do ponto de vista laboratorial quanto do ponto de vista teórico, o que vai melhorar a inserção dos mesmos no mercado profissional. Estamos em fase de transição em que os docentes mais antigos vão se aposentar nos próximos 5 ou 10 anos, mas os mais jovens conseguirão manter a curva de crescimento da excelência e da produtividade porque os docentes jovens e os mais experientes são muito produtivos. Nossa meta é conseguir nota 6 no próximo quadriênio de avaliação da Capes”, expressa o Diogo Cavalcanti Cabral de Mello, coordenador do PPG em Ciências Biológicas (Biologia Celular e Molecular), conceito 5, do Instituto de Biociências, que surgiu da união dos PPGs em Ciências Biológicas (Biologia Celular e Molecular) e em Ciências Biológicas (Microbiologia Aplicada).


CÂMPUS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

CIÊNCIAS APLICADAS À SAÚDE BUCAL

“Nosso objetivo é promover ainda mais a integração e o desenvolvimento de discentes e de docentes sob a perspectiva multidisciplinar, resultando em profissionais com formação mais abrangente e altamente qualificada, e no desenvolvimento de pesquisas aplicadas que podem beneficiar ainda mais a sociedade, já que os 2 programas já desenvolviam diversas atividades em colaboração, como projetos de pesquisa que geraram 25% das publicações com alunos e docentes, disciplinas e projetos de extensão. O novo PPG terá 34 docentes permanentes, atuando em 6 linhas de pesquisa. As disciplinas também foram atualizadas para atender o novo perfil do egresso, com importantes alterações na estrutura do novo curso. A união do corpo docente aumentará o impacto nas publicações em diferentes áreas, com crescimento significativo nas colaborações nacionais e internacionais, com o fortalecimento da massa crítica, com a captação de mais recursos junto aos órgãos de fomento e com a ampliação significativa de docentes com bolsa de produtividade em pesquisa do CNPQ. Fatores relevantes para promover maior sustentabilidade e inovação do Programa. A interação de docentes e discentes com formação diversificada em ciências básicas, clínicas odontológicas e em outras áreas também permitirá o desenvolvimento de projetos mais integrados, com possibilidade de geração de produtos inovadores”, revelam os professores Alexandre Luiz Souto Borges, coordenador do PPG em Odontologia Restauradora (conceito 5), e Luciane Dias de Oliveira, coordenadora do Programa de Pós-graduação em Biopatologia Bucal (conceito 5), que agora estarão no Programa em Ciências Aplicadas à Saúde Bucal, do Instituto de Ciência e Tecnologia.


CÂMPUS DE JABOTICABAL

CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

“Decidimos pela fusão porque as aposentadorias de docentes sem reposição desde o início do último quadriênio representavam uma ameaça à manutenção dos 2 programas no formato original. Desse modo, conseguimos massa crítica de docentes para garantir o bom funcionamento do programa, com produção científica de grande relevância, até que as contratações possam retornar. Com a fusão também passamos a ter um Programa muito forte, capaz de contemplar a grande diversidade da área de Medicina Veterinária já que um dos Programas originais atendia bem à nova abordagem em Saúde Única enquanto o outro gera muitos produtos de inovação aplicada à medicina de animais domésticos. Para aprovação do nosso projeto junto à Capes, modernizamos a proposta do curso para atender melhor às linhas de pesquisa dos docentes credenciados. O que vai permitir a formação de egressos com bons diferenciais para as demandas da sociedade. Uma grande novidade é que profissionais de outras áreas, além da Medicina Veterinária, poderão cursar a pós, contribuindo muito para a renovação das ideias e para o intercâmbio cultural entre as várias profissões”, analisa o professor Estevam Guilherme Lux Hoppe, coordenador da PPG em Medicina Veterinária que se uniu ao Cirurgia Veterinária que resultou no Programa em Ciências Veterinárias, conceito 6, da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias.


CÂMPUS DE JABOTICABAL

CIÊNCIA ANIMAL

“Os Programas de Pós-Graduação em Zootecnia e em Genética e Melhoramento Animal já apresentavam interação em pesquisa e ensino. Com a fusão, entendemos que esse processo será intensificado com possibilidade de fomentar um ambiente cada vez mais multidisciplinar e inovador para os discentes e docentes do novo PPG. Dessa forma, esse processo irá potencializar ainda mais a contribuição na geração de conhecimento científico e tecnológico em Fisiologia e Bem Estar Animal, Genética e Melhoramento Animal, e Nutrição Animal do novo Programa. Já um dos efeitos práticos para docentes e discentes é a oportunidade de interação com as diferentes áreas do novo Programa. Áreas formadas por um corpo docente qualificado e com laboratórios muito bem estruturados. Tudo isso também permitirá a otimização do uso de recursos humano e material. A união dos 2 Programas de excelência com conceitos 6 e 7 pela avaliação da Capes possibilitará o estabelecimento de uma base sólida e sustentável, com elevado potencial para continuar atendendo com excelência as demandas da sociedade”, avalia o professor Luciano Hauschild, coordenador do PPG em Zootecnia que junto com a professora Lúcia Galvão Albuquerque, coordenadora do Programa em Genética e Melhoramento Animal, estruturou o processo de criação do novo Programa em Ciência Animal, da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, conceito 7.


CÂMPUS DE GUARATINGUETÁ

ENGENHARIA

“Com a reestruturação das áreas e das linhas de pesquisa será criado um Programa mais robusto e de melhor qualidade, tendo por meta alcançar a excelência. Com isso, os docentes serão beneficiados por aumento de recursos para seus projetos, pesquisas mais amplas e acesso aos editais restritos aos programas de maior nota. Um Programa de melhor qualidade possibilitará a captação de maior número de bolsas para os alunos, além de obterem o título de mestre e de doutor em um Programa mais bem conceituado. A criação de PPGs mais robustos e sustentáveis dará à Unesp a possibilidade de aumentar o número de programas de excelência. O PPG resultante da fusão se tornará mais competitivo na captação de recursos junto aos órgãos de fomento e aumentará também a captação de recursos humanos mais qualificados, com o fortalecimento da massa crítica. Dessa forma, o novo Programa terá melhores condições de aumentar a sua nota na próxima avaliação da Capes. A fusão foi um caminho natural porque os 2 Programas já possuíam linhas de pesquisas sinérgicas e a união possibilitará a junção das publicações e o fortalecimento das colaborações nacional e internacional, aumentando o número de projetos financiados que ajudará a melhorar a infraestrutura. A união também resolveu o que mais enfraquecia os 2 Programas que era a inexistência de doutorado no PPG em Engenharia de Produção que fazia com que a maioria dos alunos que terminava a dissertação de mestrado migrasse para o PPG em Engenharia Mecânica para desenvolver a tese de doutorado, pois, com a mudança nas regras da Capes, a publicação dos docentes que atuavam nos 2 Programas era dividida entre os PPGs”, declaram os professores Otávio José de Oliveira, coordenador do PPG em Engenharia de Produção, e Ivonete Ávila, coordenadora do Programa em Engenharia Mecânica, que agora fazem parte do novo PPG em Engenharia, conceito 4, da Faculdade de Engenharia.


CÂMPUS DE BAURU, DE PRESIDENTE PRUDENTE E DE RIO CLARO


Já a décima fusão aprovado pela Capes, que envolve os câmpus de Bauru, de Presidente Prudente e de Rio Claro, é o novo PPG em Ciências do Movimento, conceito 5, que uniu o Programa em Ciências da Motricidade da Faculdade de Ciências, do Instituto de Biociências e da Faculdade de Ciências e Tecnologia. com o PPG em Fisioterapia, também da Faculdade de Ciências e Tecnologia.


Projetos em análise

Outros 3 projetos de fusão ainda aguardam avaliação da Capes. O primeiro propõe a criação do PPG em Alimentos, Nutrição e Engenharia de Alimentos, com a junção dos Programas em Alimentos e Nutrição, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, câmpus de Araraquara, com o Engenharia e Ciência de Alimentos, do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, câmpus de São José do Rio Preto; o segundo é o PPG em Biologia Vegetal que unirá os Programas Ciências Biológicas (Biologia Vegetal), do Instituto de Biociências, câmpus de Botucatu, com o Ciências Biológicas (Botânica), do Instituto de Biociências, câmpus de Rio Claro; já o terceiro é o Programa de Ciências da Vida, com fusão dos PPGs em Biofísica Molecular, do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, câmpus de São José do Rio Preto, e em Farmacologia e Biotecnologia, do Instituto de Biociências, câmpus de Botucatu.

1 visualização0 comentário