• Sintonia

Artigo da USP discute os conceitos de adolescência em diferentes culturas

Pesquisadores estudaram a adolescência a partir de elementos culturais diversos e apontam que a transição da infância para a fase adulta não é universal


Por Margareth Arthur / Portal de Revistas USP

Fonte Portal USP



Bruna Rabello de Moraes e Amadeu de Oliveira Weinmann, autores do artigo, chamam a atenção para um olhar comum sobre a adolescência que não se observa em todas as culturas: a ideia de “permanente mutação” – Foto: Pixabay


Artigo publicado na revista Estilos da Clínica discute os diferentes conceitos que definem a palavra adolescência, pois seu sentido varia de acordo com diferentes culturas. Segundo os autores do artigo, a psicóloga Bruna Rabello de Moraes e o psicanalista e professor Amadeu de Oliveira Weinmann, “a adolescência é uma construção cultural, isto é, uma noção de adolescência sempre é tributária do contexto que a define”.


Para definir a adolescência é preciso partir da premissa de compreender seu conceito “como um momento de passagem da condição infantil à adulta”, condicionado aos contextos culturais que implicam na relação interdependente entre sujeito e cultura. Os autores também relatam reflexões sobre os aspectos históricos e as elaborações de estudiosos do tema, pautadas nas produções culturais para entendimento do conceito de adolescência.


Com o intuito de entender melhor esse conceito, estabelece-se como critérios de análise a adolescência e seus rituais de iniciação, contexto histórico, discussões sobre a chamada “juventude temida”, a subcultura adolescente e as angústias juvenis. Bruna e Weinmann chamam a atenção para o olhar que normalmente dirigimos para a adolescência, “uma ideia em permanente mutação”, que não se observa em todas a culturas. Desse modo, não podemos “falar” de adolescência, mas das “várias adolescências que vão sendo construídas por determinadas culturas”, pontuam os autores. Nesse momento nasce a proposta de investigação, no percurso da história, de estudar as raízes do tema e como ele aparece nas sociedades, desde o século 16, em que “o sujeito ocidental passou a deparar-se com a existência de outras culturas”, passando pelo dito boom da adolescência nos EUA da década de 1950.


Muitos autores citados no artigo apontam a relação entre a adolescência e os rituais de iniciação em diversas culturas que mostram o crescimento e seus ritos de passagem, bastante diferentes em suas peculiaridades e características, como entre os akambas, na África Oriental britânica, no qual “as jovens devem evitar seu pai entre a época da puberdade e seu casamento”, explicam os autores. Para algumas culturas, os ritos de passagem, como no caso em pauta, e as mudanças que ocorrem quando se deixa de ser criança, ou seja, quando ela cresce, sinalizam que é o momento de os valores tradicionais familiares serem transmitidos e, em outras culturas, também é uma época de conceder-se certa independência e responsabilidade ao jovem.


O aparecimento da sociedade industrial, a criminalidade e o despertar da sexualidade nos jovens geraram preocupação, segundo médicos e pedagogos, com esse “momento de transição como algo perigoso e pleno de tentações”, portanto, passíveis de controle e vigilância. Os autores destacam que a psicologia considera a transgressão “como uma característica própria dessa fase da vida”, observando-se que a cultura do século 20 pontuou a articulação entre juventude e mudança social na Itália fascista da década de 1920 e, ao longo da década de 1960, os jovens deflagraram a contracultura e lideraram movimentos e lutas por direitos civis. A adolescência se consolidou como categoria social no século 20, cujos protagonistas, os jovens, ao longo da história, estiveram nas guerras mundiais, participaram de grupos de contestação política, reivindicações sociais e de gênero, momento em que a chamada “subcultura adolescente“ retratou uma juventude disposta a criar novos parâmetros que não os já absorvidos pelos adultos.


Para os autores, é importante salientar o pensamento do psicanalista Rodolpho Ruffino: “A adolescência consiste em uma experiência tipicamente moderna, decorrente da ausência da mediação simbólica promovida pelos ritos de passagem”, mostrando a juventude como categoria social e a adolescência como “operação psíquica”, “duas faces de uma moeda, cujo valor apenas a Modernidade seria capaz de reconhecer”. Concluindo, o artigo traça uma trajetória sobre resultados de produções culturais “que transmitem algo da experiência do adolescer”, trazendo o conceito de adolescência definida e incorporada por diferentes culturas, portanto, ressaltando a inexistência de uma adolescência universal ou natural.


Artigo


MORAES, B. R. de; WEINMANN, A. de O. Notas sobre a história da adolescência: transformações e repetições. Estilos da Clínica, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 280-296, 2020. ISSN: 1981-1624. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i2p280-296. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/estic/article/view/160346. Acesso em: 18 nov. 2020.


Contatos


Bruna Rabello de Moraes – Psicóloga e mestre pelo Programa Psicanálise: Clínica e Cultura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. E-mail: brunardem@hotmail.com


Amadeu de Oliveira Weinmann – Psicanalista e professor associado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. E-mail: weinmann.amadeu@gmail.com

4 visualizações0 comentário
  • Sintonia Universitária
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Tumblr Social Icon
  • Sintonia Universitária

Portal de Notícias | A Sintonia | Contato

Sintonia Universitária©℗®™ todos os direitos reservados 2021

Sintonia Universitária Logo.gif

Inspirando Atitudes

banner_usp_vida_interna.jpg